segunda-feira, abril 13, 2009

P de Pedante

Talvez venha da criação simples de quem conseguiu chegar aonde chegou através de estudo e trabalho ou quem sabe talvez venha da convivência com diversas pessoas de várias partes do País. Meu pai sempre me falou: “Filho você é o que você se permite ser”. Logo então tenho como base e filosofia de vida a humildade, mas ser humilde passa longe de ter que ser ignorante como prova de que ter base e inteligência é uma afronta ou uma arrogância diante dos desprovidos de tal virtude.
Existem varias formas de inteligência e a que me referirei durante todo o texto será a da capacidade de desenvolver um raciocínio lógico diante de um tema a ponto de fazê-lo ter sentido. E essa inteligência é a mais difícil de ser questionada porque pontos de vista e base cultural diferem no modo do entendimento pessoal e validade das normas assim dando validade a velha máxima de que cada cabeça um mundo. As informações sempre chegam de uma maneira diferente aos ouvidos do bom entendedor e essas diferenças são os grandes motivadores de debates e fóruns.
Sempre adorei ouvir, divergir, debater, discutir, confrontar e aprender. Tais delicias são os principais motivos pelo qual optei pela profissão de comunicador. Saber ouvir e respeitar a opinião alheia são de fato um mérito de quem tem base. Refiro-me a educação e criação que juntos ajudam a montar a personalidade de um ser humano.
Motivei-me então a escrever sobre este tema depois de uma pequeno “debate-boca” que tive com uma colega de classe na faculdade. O grande problema nesse confronto ideológico foi que em vez da outra parte saber respeitar a opinião dos outros limitando-se a expor a sua, sub-julga infeliz a afirmação dos outros levando a sua como verdade absoluta e isso é sim a primazia da ignorância. Respeitar a opinião e ponto de vista alheio não é concordar com ele e sim expor a sua maneira de interpretar temas sem desfazer de outras interpretações ou confrontá-las diante de fatos que por fim quebrem a tese.
Fiquei refletindo por muito tempo antes de escrever este texto. Não quero com essas palavras criar inimizades nem confrontos pessoais, mas em verdade vos digo que a pessoa no qual me refiro não tem nenhum dos adjetivos positivos já citados nesse texto. Não é inteligente, não tem personalidade, não é humilde, não saber discernir e tão pouco expressar-se.

2 comentários:

SaPaToS De LaTa disse...

Dito e feito!

Intrigando! disse...

G de Guilerme... Um homem que pensa e respeita,
pensa sempre e respeita de vez enquando!!!!